terça-feira, 3 de agosto de 2010

No Meio da Noite

Acordei meu bem pra lhe contar meu sonho:sem apoio de mesa ou jarro eramas buganvílias brancas destacadas de um escuro.Não fosforesciam, nem cheiravam, nem eram alvas.Eram brancas no ramo, brancas de leite grosso.No quarto escuro, a única visível coisa, o próprio ato de ver.Como se sente o gosto da comida eu senti o que falavam:"A ressurreição já está sendo urdida, os tubérculosda alegria estão inchando úmidos, vão brotar sinos." Doía como um prazer. Vendo que eu não mentia ele falou:as mulheres são complicadas. Homem é tão singelo.Eu sou singelo. Fica singela também.Respondi que queria ser singela e na mesma hora, singela, singela, comecei a repetir singela.A palavra destacou-se novíssimacomo as buganvílias do sonho. Me atropelou. O que foi? - ele disse. - As buganvílias...Como nenhum de nós podia ir mais além, solucei alto e fui chorando, chorando,até ficar singela e dormir de novo.
(Adélia Prado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário