terça-feira, 10 de agosto de 2010

Soneto de Devoção (Vinícius de Moraes)

Essa mulher que se arremessa, fria
E lúbrica em meus braços, e nos seios
Me arrebata e me beija e balbucia
Versos, votos de amor e nomes feios.
Essa mulher, flor de melancolia
Que se ri dos meus pálidos receios
A única entre todas a quem dei
Os carinhos que nunca a outra daria.
Essa mulher que a cada amor proclama
A miséria e a grandeza de quem ama
E guarda a marca dos meus dentes nela.
Essa mulher é um mundo! - uma cadela
Talvez... - mas na moldura de uma cama
Nunca mulher nenhuma foi tão bela!

4 comentários:

  1. A devoção é o nosso derradeiro amor .

    Beijo e grato pela partilha deste maravilhoso soneto.

    ResponderExcluir
  2. Vinícius é sempre Vinícius, amo o poetinha!
    Obrigada por sua visita amiga!
    Bjsssssss
    Gena

    ResponderExcluir
  3. Zapeando achei teu blog e gostei demais.
    Bela escolha, do eterno Vinicius.
    Parabéns, bjs.
    Léah
    http://pinturaartesanato.blogspot.com

    ResponderExcluir